PSDB vai juntar decisão do TCU a processo que pede cassação de Dilma

O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima, afirmou nesta quinta-feira (8) que o partido irá pedir a juntada da decisão do Tribunal de Contas da União, que recomendou a reprovação das contas da presidente Dilma Rousseff (PT), aos processos de impugnação de mandato eletivo contra a petista, que tramitam no Tribunal Superior Eleitoral. 

Leia também: Para líder do PSDB, decisão do TCU “confirma estelionato eleitoral”

Segundo Cunha Lima, a decisão do TCE fortalece o processo de “queda” da presidente. “A recomendação fortalece os dois caminhos, tanto do impeachment, quanto para a realização de novas eleições. Nós vamos pedir a juntada da decisão do TCU no processo que tramita no TSE”, disse. Ainda de acordo com o senador, a solicitação deve ser feita pelos advogados do PSDB até está sexta-feira (9).

As análises principais do processo, para a reprovação, levaram em conta as chamadas “pedaladas fiscais”, que ficaram conhecidas pelos atrasos nos repasses da União aos bancos públicos pelo pagamento de programas do governo. O ministro paraibano Vital do Rego, também votou pela reprovação.

Crítico à gestão petista, o senador tucano afirmou que não tem dúvidas da saída da presidente do poder. “Ela já caiu. Resta saber se nós vamos encontrar uma decisão pela política, através do impeachment ou do povo, por novas eleições. Eu sempre defendi pela democracia direta, garantido a legitimidade necessária para tirar o Brasil dessa crise”, disse.

Na realização de novas eleições, a presidente precisaria ser cassada no TSE, o que daria chance para o aliado de Cunha Lima, o senador Aécio Neves, concorrer novamente as eleições. Caso a presidente sofresse o impeachment quem assumiria é o vice-presidente, Michel Temer (PMDB).

“Dilma já não governa mais. A última chance que ela teve foi na reforma e o resultado é algo inconcebível. Ela já caiu resta só o trâmite. Ela não consegue quórum Congresso, não consegue controlar a economia. Ela não governa mais”, avaliou.

Portal Correio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *