Câmeras em uniformes de PMs ajudam a diminuir números da violência, indica estudo

Um estudo internacional revelou que a utilização de câmeras em uniformes de policiais militares (PMs) e em viaturas ajudou a diminuir os números da violência. No Brasil, pesquisadores que atuam em universidades inglesas e na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio) realizaram um teste do estudo. No Ceará, não há previsão para uso da ferramenta, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

“Foi da mudança de comportamento do policial, que acabou sendo com as palavras mais rebuscadas, mais escolhidas, quanto a sociedade, que também se portava de maneira diferente porque estava sendo gravada pelo policial militar”, disse o comandante-geral da Polícia Militar de Santa Catarina, Dionei Tonet, ao portal.

No Brasil, além de Santa Catarina, a estratégia também foi adotada nos estados de São Paulo e Rondônia. Em São Paulo, policiais de 18 batalhões utilizam câmeras desde junho. O número de mortes decorrentes da atividade policial caiu 46% em todo o estado nos últimos quatro meses, na comparação com o mesmo período de 2020.

O estudo internacional aponta que, além de reduzir a violência policial, também traz outros resultados. Com os policiais que usaram câmeras, houve queda nos casos de desacato, no número de prisões e uso de algemas.

Medida no Ceará

No Ceará, a adoção de câmeras nos uniformes dos policiais, assim como nas viaturas, não tem previsão de ser adotada. Em nota enviada ao O POVO, nesta segunda-feira, 18, a SSPDS-CE informou que “não adota o uso de câmeras em uniformes e viaturas policiais”, e ressaltou que ainda não há previsão para adoção da prática.

A pasta não respondeu sobre como ela avalia o uso da estratégia como medida para a diminuição dos casos de violência policial, assim como forma de adesão de provas na rotina das operações policiais.

Deixar uma resposta