“O escândalo Covaxin é apenas um caso que demonstra a contradição do discurso bolsonarista sobre vacinas e corrupção”, diz Jeová. Leia

“A CPI da Covid no Senado está expondo para o país inteiro que o discurso de moralidade e combate à corrupção no governo Bolsonaro não passa de um engodo e a negociação das vacinas superfaturadas é apenas um caso que demonstra a contradição entre o discurso e a prática deste governo”, disse hoje (01) o deputado estadual paraibano, Jeová Campos. O parlamentar se refere a um suposto esquema de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin pelo governo de Jair Bolsonaro.

Segundo o deputado, embora o Planalto negue as acusações, inclusive dizendo que a compra não foi efetuada, a CPI tem provas de que a aquisição de 20 milhões de doses desse imunizante, no valor total de R$ 1,6 bilhão, teria sido superfaturada em 1000%. “Documentos obtidos pela Comissão atestam que o valor contratado pelo governo brasileiro, de US$ 15 por vacina, o equivalente a R$ 80,70, ficou muito acima do preço inicialmente previsto pela empresa Bharat Biotech, de US$ 1,34 por dose”, lembra Jeová. “O Governo alega que não houve irregularidade porque a compra não foi efetivada, mas ele não diz que o dinheiro está empenhado para tanto. Essa compra não foi finalizada porque o escândalo estourou antes”, afirma Jeová.

O parlamentar paraibano lembra ainda que o envolvimento em atos de corrupção do Governo nessa questão da compra de vacinas fica ainda mais evidente quando se  chama atenção para o fato do Governo Federal ter dito que recusou a compra do imunizante da Pfizer porque alegou que o preço seria alto demais. “Mas é preciso lembrar que a dose da Covaxin ia sair muito mais cara para o Governo, na ‘bagatela’ de  US$ 5 a mais que o imunizante da Pfizer. Como explicar isso?”, questiona o deputado, que vai mais além e questiona o por quê do presidente, ao tomar conhecimento da suspeita de superfaturamento na compra de vacinas, não ter levado essa questão aos órgãos de controle. “A omissão, neste caso, se constitui numa clara demonstração de prevaricação por parte de Bolsonaro. Esse governo perdeu o discurso de anticorrupção e o caso da Covaxin é apenas um elemento no meio de tantos atos que desmontam esse discurso”, finaliza Jeová.

 

Deixar uma resposta