Varíola de macaco tem seu 3º caso confirmado no Brasil e OMS vê risco moderado

O Ministério da Saúde anunciou o terceiro caso de varíola dos macacos no Brasil. O surto da doença começou em maio na Europa e vem se alastrando pelo mundo, com mais de mil pessoas contaminadas.

O Fantástico entrevistou o primeiro paciente a receber o diagnóstico da doença, no Brasil. Ele está em um quarto especial, em isolamento, no Instituto Emílio Ribas, em São Paulo.

Apesar de se chamar assim, essa varíola não vem dos macacos. Ela tem esse nome porque foi observada pela primeira vez em macacos, em 1958. Mas os portadores originais provavelmente são roedores das selvas africanas. Os macacos são tão vítimas quanto os seres humanos.

Ela é transmitida principalmente pelo contato direto, de pele com pele, e também ao se compartilharem objetos que têm muito contato com a pele, como roupas e lençóis. Dependendo da profundidade que atingiram, as lesões podem deixar marcas mesmo depois que sararem. Em relação às sequelas, elas também podem existir, se o caso for grave, atingindo pulmões ou cérebro, por exemplo. Mas em surto atual, a doença tende a ser mais leve.