Presidente da Petrobras deve renunciar nesta segunda-feira

O engenheiro José Mauro Coelho foi confirmado na tarde desta quinta-feira (14) como novo presidente da Petrobrás. Após a eleição, realizada pelo conselho de administração da companhia, o substituto de Joaquim Silva e Luna, demitido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), tomou posse.

Coelho é formado pelo Instituto Militar de Engenharia (IME) e doutor em Planejamento Energético pelo Programa de Planejamento Energético (PPE), da UFRJ. Fez carreira na Empresa de Pesquisa Energética (EPE), onde atuou por 12 anos. Em seguida assumiu a Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia.

Leia também: Novo presidente da Petrobrás é defensor das políticas de Bolsonaro

Ele também é presidente do conselho de administração da Pré-Sal Petróleo (PPSA), estatal responsável por negociar a parte da União na exploração do pré-sal.

Coelho foi eleito na noite de ontem para o conselho de administração em uma longa e tumultuada Assembleia Geral Ordinária (AGO). O conselho de administração da Petrobrás é composto por 11 integrantes. O engenheiro foi indicado no dia 6 de abril logo após a desistência do economista Adriano Pires, que declinou do convite por conflitos de interesse.

Terceiro presidente da Petrobrás no governo Bolsonaro

José Mauro Coelho é apontado como o ‘homem de confiança’ do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Ele deixou o Ministério em outubro de 2021 por “questões pessoais”. Seis meses depois, ele mantém agora apenas o cargo de conselheiro da PPSA, que concilia com a presidência da estatal. Entre os maiores desafios do novo presidente da Petrobrás está conter a insatisfação popular diante dos altos preços dos combustíveis.

Leia também: Relatório da Petrobras deixa ministro de Minas e Energia assustado

Depois do conflito entre o ex-presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, com o presidente Jair Bolsonaro, José Mauro Coelho se torna o terceiro nome a assumir o comando durante o atual governo.

Luna se manteve um ano no comando da empresa após ter substituído Roberto Castello Branco. De todos os indicados do governo, Coelho é o nome que mais agrada o mercado, por ter um perfil técnico e de alguém que apoia a atual política de preços da empresa.