Da tribuna, Cássio apela à Dilma para que decrete estado de emergência no Nordeste

 

Da tribuna, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) fez, nesta quarta-feira, 21, um apelo à presidente da República, Dilma Rousseff, pela decretação do estado de emergência em razão da seca que devasta o Nordeste. “Venho bradar desta tribuna em relação à gravíssima situação que o Nordeste enfrenta naquela que está sendo constatada como a mais longa estiagem dos últimos 40, 50 anos. Diante da letargia do Governo Federal na adoção de providências, lembro-me de uma frase do tribuno e poeta Raymundo Asfora, que certa feita disse, em relação ao Nordeste: “o Governo Federal promete como sem falta e falta como sem dúvida” –  denunciou.

Segundo Cássio, as populações estão passando sede, porque o Governo Federal não repassa ao Exército Brasileiro, que é o responsável pelo suprimento de água por meio dos caminhões-pipas, os recursos suficientes para abastecer as populações rurais. “Ao mesmo tempo em que a população tem de se socorrer de um caminhão-pipa para comprar uma lata d’água para sua sobrevivência, ela tem de beber água barrenta diante da omissão do Governo Federal, que simplesmente faz de conta que o problema não existe. O nosso rebanho está sendo dizimado, a avicultura no Nordeste está sendo destruída porque, simplesmente, não temos como fazer a distribuição de milho” – lamentou.

O senador explicou que a Conab só pode contratar o sistema logístico dos portos se a Presidência da República decretar o estado de emergência no Nordeste, a exemplo do que já foi feito pelos estados e pelos municípios. “A Conab só pode usar o instrumento da dispensa de licitação, previsto na Lei 8.666, se houver o decreto presidencial” – disse, com didatismo.

Cássio explicou ainda que a Paraíba recebeu 21 mil toneladas de milho, à proporção de 3 mil toneladas de milho por semana, o que é insuficiente para as necessidades, e que ainda há 21 mil toneladas a serem distribuídas. Isso só poderá ser feito, com a pressa necessária, se o Governo Federal decretar o estado de emergência da região para que a Conab possa dispensar a licitação e utilizar de pronto o Porto de Cabedelo para a distribuição e estocagem de milho.

– Fica aqui o nosso alerta, de forma reiterada e renovada, e nosso apelo para que a presidente Dilma faça o decreto de reconhecimento do estado de emergência do Nordeste, para que as providências com as dispensas de licitações necessárias sejam adotadas ‘para ontem’ – exortou Cássio.

– É uma situação de caos, desolação completa e omissão absoluta do governo federal com relação ao Nordeste brasileiro, exigindo providências urgentes, porque boa vontade e promessas não resolverão nosso problema – finalizou Cunha Lima.

 

Assessoria de Imprensa com Agência Senado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *