Documentos da Odebrecht listam mais de 200 políticos; empresa é investigada

O Blog do Fernando Rodrigues, do UOL, revelou nesta quarta (22) arquivos que podem ser documentos apreendidos pela Polícia Federal com listas que indicam supostos repasses da Odebrecht para mais de 200 políticos. O paraibano Cícero Lucena é citado e outro designado apenas como ‘Romero’ seguido com a sigla CGN, na coluna ‘local’, que poderia ser o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB).

Leia também: Marcelo Odebrecht decide fazer acordo de delação premiada

Entre os citados aparecem ainda Aécio Neves (PSDB-MG), Romero Jucá (PMDB-RR), Humberto Costa (PT-PE) e Eduardo Campos (PSB), morto em 2014, entre vários outros. 

O jornalista descreveu que o material é extenso e indica o que parece ser um acervo de contabilidade paralela descoberta e revelada pela Operação Lava Jato nessa terça-feira (23).

Apesar disso, não há nada que comprove que haja relação entre os políticos listados e a existência de caixa 2 da empreiteira. O caso será investigado e só vai ser esclarecido com o desenrolar da Lava Jato.

O ex-senador Cícero Lucena disse ao Portal Correio que não teve contato com ninguém da Odebrecht e que analisou sua prestação de contas de 2012, ano citado pelo empresa como período de doação de recursos.

“Soube disso agora e estou estranhando bastante. Rapidamente analisei minha prestação de contas de 2012 (época da candidatura a prefeito de João Pessoa) e não me lembro de nenhuma doação da Odebrecht. Nunca tive contato com esse pessoal e no documento é citado doação em 2014, mas em 2014 nem candidato eu fui. Eles têm que dizer como isso foi feito, repito que nunca tive contato com esse pessoal e não me lembro de doação vinda deles”, afirmou Cícero Lucena.

Até o fechamento desta matéria, o prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues não havia sido encontrado para comentar o assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *